terça-feira, 25 de junho de 2013

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Autarquia projecta Museu Arqueológico

A Câmara de Mogadouro vai investir cerca de um milhão e trezentos mil euros na construção de um museu arqueológico.
O equipamento vai ficar instalado na zona histórica da vila, a partir de um conjunto de casas cedidas à autarquia.
O presidente da Câmara espera que o museu esteja a funcionar dentro de um ano e meio.
“Ainda estamos a ultimar o projecto do museu arqueológico municipal que tem estado sujeito a algumas adversidades pois o IPPAR recusou o primeiro que fizemos”, explica Moraes Machado, acrescentando que “a Direcção Regional da Cultura do Norte tomou conta do projecto e estamos a realizá-lo em parceria”. “Dentro de um ano e meio devemos ter um museu arqueológico totalmente integrado na zona histórica da vila”, avança o autarca.
Do espólio deste museu vão fazer parte as 40 peças arqueológicas que foram entregues na passada quarta-feira pela Direcção Regional da Cultura do Norte ao município resultantes de escavações desenvolvidas em Salgueiral. “As peças foram recuperadas e estavam armazenadas na Direcção Regional mas entendemos que é muito mais interessante passarem a fazer parte do espólio da câmara municipal e poderem ser expostas no futuro museu cujo projecto de arquitectura está a ser feito”, refere a directora regional, Paula Silva.

Além da entrega das peças, a Câmara de Mogadouro e a Direcção Regional da Cultura do Norte assinaram um protocolo de cooperação para desenvolver trabalhos de investigação científica nos locais arqueológicos de Pradinhos e Salgueiral, nos próximos dois anos.

In: Jornal Nordeste

Rampa Bragança 2013

Faz 35 anos!

O gato Garfield, preguiçoso, sarcástico, guloso, que adora dormir e comer lasanha e pizza, celebra esta quarta-feira 35 anos, desde que a primeira tira de banda desenhada foi publicada em 41 jornais norte-americanos.
A personagem foi criada por Jim Davis e em 2002 valeu-lhe um recorde do Guiness, por ser a banda desenhada mais publicada em jornais de todo o mundo, ultrapassando, na altura, as 2.500 publicações em simultâneo.
Jim Davis, de 67 anos, cresceu numa quinta no Indiana (EUA) rodeado de mais de 20 gatos, e desde cedo mostrou que tinha jeito para desenhar.
As primeiras tiras de BD que publicou, "Gnorm Gnat", baseavam-se em todo o tipo de insetos, mas não tiveram muito sucesso. Foi preciso recuar à infância, e aos tempos em que conviveu com tantos gatos em casa, para descobrir a fonte de inspiração que o tornou mundialmente conhecido.
Desenhou então um gato laranja, gordo e resmungão, que adora dormir, como personagem para histórias protagonizadas pelo dono, Jon Arbuckle, mas depressa Garfield ganhou protagonismo e passou a estrela das tiras diárias.
Batizado com um dos nomes do avô - James Garfield Davis - Garfield começou por aparecer em 41 jornais norte-americanos. Em 1982 eram mil jornais, incluindo já imprensa estrangeira, e em 1987 subiu para dois mil.
A par da banda desenhada, Jim Davis viu crescer todo um império em torno daquela personagem, facilmente de identificar e de compreender em diferentes línguas e culturas: Foram criadas séries televisivas, filmes, telefilmes, jogos de computador e dezenas de produtos com a marca do gato, como canecas, cartazes e peluches.

Garfield foi ainda usado em publicidade, associado a marcas como McDdonald's, American Express, Kellog's e Campbell's.

In: Jornal Noticias

Red Burros Fly-In - 2013


segunda-feira, 17 de junho de 2013

Mogadouro oferece flores para embelezar zona histórica da vila



Com a finalidade de dar "um ar mais colorido" ao centro histórico de Mogadouro, a autarquia transmontana está a distribuir 700 floreiras pelos respectivos moradores.
"As floreiras serão colocadas pelos moradores em janelas ou varandas, para assim tornar aquela área da vila mais colorida", disse à agência Lusa o vereador das obras públicas, António Pimentel.
Segundo o autarca, a iniciativa "está a ser bem recebida”, equacionando-se mesmo uma segunda fase de atribuição de floreiras, “caso as 700 unidades não cheguem para todos".
Entre flores e floreiras a autarquia investiu cerca de 10 mil euros.
A autarquia também já tinha financiado tinta branca para a pintura dos imóveis situados na zona histórica de vila, onde estão os principais monumentos locais como o castelo medieval, a igreja matriz, a igreja da Misericórdia.
A Câmara Municipal prepara ainda um projeto de dinamização comercial para as principais ruas e vielas daquela área onde, num passado recente, estiveram instalados pequenos negócios tradicionais como tabernas, pequenos comércios ou alguns artesãos.
A zona histórica tem perdido população por falta de atividade ou infraestruturas, pelo que a autarquia tenta agora "dar-lhe um outro ânimo", justifica o vereador.
A ideia central passa por “criar incentivos para que as pessoas recuperem as casas ali existentes e se dinamize uma zona da vila que se encontra algo despovoada, criando condições para a fixação da população", acrescentou António Pimentel.
Todo o projecto de requalificação e reabilitação do centro histórico da vila de Mogadouro importa em mais de quatro milhões de euros.


In: Noticias ao Minuto